SEGUIDORES

domingo, 25 de abril de 2021

Ainda Cogito

 



 

Ainda cogito no esconderijo desta hibernação.

O som da flauta acorda o meu torpor.

Os galhos já se desprendem bebés em folhas tenras 

e inocentes, dos ventos e beijos ardentes 

da canícula do sol, num doce  espreguiçar.

Os aromas contaminam a pele

e arrepiam todos os sentidos.

Ainda breves flores despontam do musgo

e os girinos passeiam por entre os limos flutuantes.

 

Que me banhem todas as estrelas na noite que se aproxima.

Que me dispa de tédio as línguas de sol

porque necessito de gritar 

que a alegria é o mastro dos meus dias.

 

Que me beije a chuva, muita chuva.

Quero navegar nos lagos largos da abundância

onde a vida se incendeia.

 

Hoje quero ser a rã que se espreguiça livre

por entre as flores orvalhadas da manhã,

colhendo campestres inocências.

 

Já não tenho tempo para perder,

nem paciência.



Manuela Barroso, "Luminescências"-2019

 

 

domingo, 11 de abril de 2021

Fizeste-me

 



Fizeste-me cântico em versos de vidro
na imensidão  do cosmos onde fulgura 
toda a exatidão do belo.
Tudo parece imutável
na plenitude serena dos astros
e na ausência visível  do turbilhão
efervescente dos magmas.
Mas
tudo é um poema em incandescência.
 
Deixa-me que me transporte para a
serenidade inalterável da luz das memórias
onde me esperará uma sinfonia de estrelas
na imaterialidade dos Tempos.

 

Manuela Barroso


domingo, 4 de abril de 2021

Feliz Páscoa


 Algumas coisas são explicadas pela ciência, outras pela fé. A Páscoa ou Pessach é mais do que uma data, é mais do que ciência, é mais que fé, Páscoa é amor.

Albert Einstein




É com Amor Pascal que desejo a todos/as uma Pascoa Feliz.

Manuela Barroso






quinta-feira, 1 de abril de 2021

Páscoa




Por isso choro em mim a mágoa verdadeira
De ter nascido tarde e só te vir achar,
Feito em marfim, metal, pedra, madeira,
No cimo de um altar!
 
 José Régio, in Poemas de Deus e do Diabo, Portugália Editora, "Obras Completas", 1969
 

 



Se a Tua existência não sensibilizou o coração dos Homens

Que a Tua morte os desperte para o mistério da Vida.

 

 Manuela Barroso


domingo, 21 de março de 2021

Como te ouço

 

 António B. Coelho


E como eu te ouço nas cordas longínquas
das violetas caladas.
Irrompem dos diques da memória,
as recordações que não tenho de ti.
Sinto a saudade esvaindo no céu das madrugadas
mergulhando no belo indizível
das auroras boreais.
 
Como elas, a impermanência deste olhar
que se esfuma com o tempo  em insónias fatais.


Manuela Barroso