SEGUIDORES

sábado, 14 de novembro de 2020

Abre a porta

               Duy-Huynh
Abre a porta.                                 
Ouvi -te nas grutas e em buscas dementes.
Ouvi a corrosão da tua insistência que atormenta o silêncio do meu sono e das noites que me pertencem.
Hoje trago-te a minha leveza invisível na poeira que se faz luto.
Trago-te a vingança de desatinos que o Homem volta a esquecer.
Abre a porta.
Agora é o tempo de acordar toda a Terra, cercá-la de sombras e acordar a afronta e a indignidade de usurpadores e déspotas que acorrentam vidas humanas e toda a criação, na ganância dos seus sonhos devoradores e bárbaros. Não são mais que simples sopros que se desvanecem no algodão negro das suas lucubrações efémeras.
Abre a porta.
Hoje trago a vingança dos morcegos no incêndio de noites moribundas. O meu ninho é o espaço esconso de ninguém. É o caminho deserto das sombras onde as moléculas navegam em desconhecidas constelações. Respeita-os
 
Só fecharás a porta, com a libertação da Terra e de tudo quanto nela habita.
Ela é o receptáculo que te embala, a corola que te sorri, acredita.

 
Manuela Barroso

 


20 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Fascinante de ler. As portas podem abrir mas sempre de uma forma cautelosa pois os tempos de Pandemia que vivemos aconselha a fechá-la
Mas claro, como sempre, gostei muito de ler.
.
Feliz fim de semana
Cumprimentos

Elvira Carvalho disse...

Um poema aviso que a humanidade devia ter em conta.
Abraço, saúde e bom fim de semana

saudade disse...

Poema maravilhoso. Para pensar. Boa semana. Beijinhos

Ana Freire disse...

E no momento... parece ser mesmo a Terra, a tomar a iniciativa para se libertar de tanta afronta e indignidade... as alterações climáticas estão em marcha...
Um belíssimo poema, que nos faz reflectir... sobre uma tomada de posições, que o mundo, já há algum tempo, deveria ter iniciado... mas de cimeira em cimeira... a inconclusão e o desacordo... têm sido sempre certos... e as janelas de oportunidade para que algo mude... estreitam-se a cada ano...
Deixo um beijinho... e votos de um bom domingo, com saúde e a tranquilidade possível, nestes conturbados tempos...
Ana

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de domingo, querida amiga Manuela!
Estamos sendo acordados junto à nossa Mãe Terra... Pouco a pouco, há uns anos e, agora, mais aceleradamente...
Não está sendo fácil, mas estamos vendo as portas fechadas ou querendo se abrir para tragar muita coisa.
Mantenhamos nossa esperança escancarada...
Tenha uma nova semana abençoada!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

MARILENE disse...

Manuela, você foi muito feliz em suas colocações poéticas. Esse "abre a porta" é um grito de alerta a ser ouvido por cada um de nós. É a ganância acorrenta, realmente, destruindo tudo. Grande beijo!

Graça Pires disse...

Este teu grito de alerta é necessário. A humanidade parece empedernida. Cada um só pensa em si mesmo. Os outros... Mas quais outros? A verdade é que esta pandemia que tanto nos assusta não está a mudar os comportamentos em relação ao clima, ao desperdício, à facilidade com que nos despreocupamos...
Muito belo e reflexivo, o teu poema, minha querida Amiga Manuela.
Cuida-te bem.
Que tenhas uma boa semana.
Um beijo.

Majo Dutra disse...

~~~
Soa-me como um vigoroso e exaltante canto hínico!

Seria, sim, o momento exato e ideal para a humanidade
acordar e se regenerar...

Muito belo, querida Poeta.
Boa semana em dias confortáveis. Beijinhos.
~~~~~~~

A Paixão da Isa disse...

pasando para desejar uma semana feliz bravo bjs saude

Mar Arável disse...

Com portas abertas e janelas escancaradas
a luta continua
Bj

Teresa Almeida disse...

Querida Manuela

A mente está aturdida. A surdez é absoluta. E tu soltas na palavra a revolta e o incentivo.

Sim, queremos viver!

Bravo, amiga!

Beijo.

João Santana Pinto disse...

Acredito...

É difícil acrescentar algo que esteja à altura do agradecimento que merece, pelas palavras, pela mensagem, pela qualidade do poema.

Obrigado e uma boa semana, plena de inspiração

Quase Cinderela disse...

O mundo devia ler este poema
Fantástico
Fiquei sem palavras
Obrigada <3
Beijinho enorme

Ana Bailune disse...

Você foi muito feliz nesse poema GRANDIOSO, Mannuela.

Gracita disse...

Querida Manuela
A humanidade ensurdecida e irresponsável tem mostrado ao mundo o seu total desrespeito pelo próximo. Nestes tempos nebulosos precisamos abrir as portas mas com grande cautela
Um grito enfático minha amiga
Beijinhos querida comadre e um maravilhoso final de semana

Megy Maia disse...

Olá minha querida amiga Manuela!
Por vezes navego por mundos desconhecidos!
Repletos de luz!
E adoraria conseguir passar um pouco dessa luz, a tantas pessoas sofredoras.
Um mundo iluminado, é sinónimo de pura felicidade!
O seu texto fascinou - me!
Um doce sorriso!🌾🌼🌾
Megy Maia🌈

Megy Maia disse...

O

A Casa Madeira disse...

Oi Manoela, tudo bem?
Fui visitar um blogue amigo e te vi no comentário logo acima;
Me recordo até hoje de uma bela informação em um comentário que
você deu sobre um post que fiz sobre xícaras de chá, k.
Com certeza! esse poema está divino!
Tenho de costume visitar apenas 2 vezes ao mês os blogues
amigos mas por várias razões nem essa frequência estou a conseguir, kkk;
Bom finalzinho de mês.
PAZ E BEM a ti e aos teus.
janicce.

Majo Dutra disse...

~~~
Reli o poema, Manuela.
Eis-me reclusa, esperando pela salvação...

Venho do Refúgio dos Poetas, agradecer o carinho e estimulo.
Bom fim de semana, querida amiga. Tudo pelo melhor. Abraços.
~~~~~~~~~~~~

Fá menor disse...

Muito belo e bem pertinente.

Beijinhos.