SEGUIDORES

sexta-feira, 1 de julho de 2011

TARDES MANSAS

"Paisagens Naturais" de Helena Chiarello
cacadorinfoto.blogspot.com

Os dias quentes de verão eram o repouso imposto aos corpos exaustos, castigados pelo trabalho árduo
do campo.
A sombra das laranjeiras casava-se com a folhagem oferecida da ramada, donde pendiam agora os cachos negros de verdelho e retinto e que serviam de suporte a ninhos de cerezinas que espreitavam curiosas os estranhos vultos humanos...
...Mas as tardes tinham outro encanto!
O tempo ia correndo preguiçoso entre o rio e um livro à sombra da laranjeira pingando flores intensamente brancas, intensamente perfumadas...
...e deixava  o "amor" adormecido no meio  do romance e fazia-me ao rio com um pequeno e rudimentar apetrecho de pesca...
Tardes de pura quietude!
 Deixava-me absorver pela  mansidão das águas e dos pequenos peixes em recreio, que brincavam com as libelinhas que sobrevoavam a capa das águas  que também  dormiam e onde eu me espelhava juntamente com os choupos  que emolduravam o meu corpo.
Era um cheiro a frescura, a água lavada, misturado com o lodo verde onde serpenteavam enguias e trutas esguias...
...e lançava o meu isco...e sorria...
...Os peixes, numa desconfiança atrevida, apareciam parcimoniosamente picando o anzol, com um "não te quero" ..."mas volto"...
...e davam meia volta como num bailado sem vénias!
... E... nada!
Mas era gostosamente doce e relaxante, sentir o vai-e-vem, o sossego que os barbos e bogas me transmitiam...
...e eu não queria o peixe...eu queria o prazer da tranquilidade das águas sobrevoadas pelas libelinhas , e que se agitavam em tremura, juntamente com o voo rasante das andorinhas...
...E neste relaxamento induzido pelo coaxar das rãs e o borbulhar das águas transparentes nos seixos, onde o céu azul mergulhava, transportava-me para o meu lugar seguro, onde não tinha necessidade
de defesas nem de escudos...
...Era eu própria!
Deixava-me embalar nesta onda de paz...
...olhava o Universo...
...e sentia-me à porta de minha Casa!
Corria uma maré frisante que arrepiou os meus cabelos acordando-me do torpor de pensamentos.
Mergulhei na água cristalina que me acordou...
...as folhas dos choupos dançavam dizendo adeus...
...e enfeitei os meus olhos com espelhos de água e libelinhas num entremeio de renda...
... por onde os raios de sol penetravam...
... bordando este lençol  que cobre ainda o meu berço de menina!

14 comentários:

Helena Chiarello disse...

Que paz, que aconchego, que delícia!

O lirismo de tuas palavras nos transporta a esse momento de pura contemplação e harmonia, também à porta dessa "casa" que o Universo é, de forma tão imensa, acolhedora e bela!

Manu amada! Que coisa linda esse texto!

Me encantou esse "pescar" sem na verdade querer o peixe... Apenas pelo prazer de estar ali, em comunhão com as águas, a natureza, a vida!

Sabe, Manu... É essa a sensação que essa foto (e o lugar ali registrado) sempre me inspirou... E agora, isso tudo vem assim, de presente e coroado pela beleza de tuas palavras!

Ver as coisas assim é grandeza espiritual, minha amiga... E dizer o mundo assim é pra quem tem a alma iluminada! E isso eu sei, você tem mesmo!

Obrigada sempre pelo carinho!
Um beijo enorme, pessoa querida!

Rui Pires disse...

Fantástico, é um deleite olhar por palavras tão interessantemente conjugadas!

Rui

mfc disse...

É sempre lindo ler-te, mas este texto é demasiadamente bonito para não ser relido!
O ambiente e os sentimentos tão bem desenhados, a natureza aconchegada a ti... e aquele bem estar que só a observação de tudo nos provoca!
Lindo, Manuela.

Menina no Sotão disse...

Sabe que ao final de tudo eu só conseguir respirar fundo e me sentir de volta em mim? Isso foi tudo. Adoro a leveza que você despeja em seus textos. Lembrei-me da expressão correta "suas palavras me dão asas". rs
bacio e um bom domingo

Milla Pereira disse...

Olá! Passei para conhecer e já estou aplaudindo este belo Blog. Te linkei em meus favoritos. Grande abraço, Milla

Leninha disse...

Manuela querida,desta vez aconteceu comigo:fiz um comentärio enorme,emocionado,com olhos lacrimejando e,nada...não seguiu.Agora vou dizer,prosaicamente,que gostei demais do seu texto
e,que mais tarde,após concluir as minhas tarefas domésticas,farei nova leitura e enviarei todo o sentimento que voce merece por um poema/texto tão inspirado e inspirador,como tudo que você faz,aliás.
Bjssssss carinhosos apesar de apressados,
Leninha

Milla Pereira disse...

Manuela, estou passando pra lhe desejar uma ótima semana e deixar um abraço. Milla

Leninha disse...

Manuela muito amada,esta tarde vislumbrada das varandas de tua alma,tem a calmaria da brisa que levemente te acaricia...e enfeitaste os olhos e nos fizeste viajar contigo,pelo encanto das tardes,pelas águas deste rio que te faz deixar o amor no livro e mergulhar em sua beleza,numa pescaria de poemas e não de peixes,que nem querias...
Estou aqui deslumbrada pela maestria de tuas palavras,pela doçura de tuas imagens...e pela foto de nossa querida Helena,a quem um dia
pedi que me ensinasse o olhar...agora é a vez de te pedir,tem como ensinar este olhar da alma?
Mas sei que é um DOM,não pode ser ensinado,como
quando eu,criança ainda,coloria os meus desenhos
e uma coleguinha pediu que a ensinasse a colorir
como eu,e tentei de todas as maneiras,até que ela me falou:não adianta,é DOM e se nasce com ele...
Bjssssssss minha querida,muito carinho e fique com Deus,
Leninha

Menina no Sotão disse...

Carissima, passo por aqui nessa manhã apenas para avisá-la de que levei seu poema lá para o meu sótão nesta última segunda-feira. Agradeço o carinho em suas palavras e mais uma vez a poesia que aninhou-se em mim.

bacio

Ana Morais disse...

Como foi um imenso prazer te encontrar...

Eliana f.v. - Li Andorinha - disse...

Ola Manuela...vim seguindo a trilha da
querida Lunna Guedes "Menina no Sotão"...
já prevendo um passeio feliz...mas me surpreendeu
por tão Deliciosa leitura em "Tardes Mansas"!
Que Linda paisagem nasceu de suas palavras!
Grata pela leveza que deu aos meus sentidos

beijos com carinho...da Eliana

Lis disse...

Venho lá da "menina do sotão" encantada com o poema que fez minha noite ficar mágica também.
Por quero mais vou estar sempre que possível vindo visita-la e espero nao incomodá-la muito rs
Gosto de poetas , de anjos azuis vestidos assim de todas as cores, de todos os matizes e dessas tardes mansas e mornas que aquecem o coração . Obrigada por compartilhar essa tarde de libelinhas e espelhos d'água.
deixo um abraço

Leninha disse...

Manuela muito amada,estou no consultório de meu irmão e tento ver se consigo falar contigo...se não der,mandarei um e-mail à noite.Não resisti e postei o teu poema,com a foto da querida Helena,no Sonhos e encantos,tá?
Você é muito especial,minha querida.Bjssssss,Leninha

Anónimo disse...

Amo o que escreves pois falas com a alma e a doçura do teu ser. BJ M.F.