SEGUIDORES

domingo, 28 de outubro de 2012

Novo Outono




...testemunha de vários outonos, folha verde, semeada de risos com bocas abertas

...e que caíam na almofada verde da erva molhada.


Um dia tépido atravessava os campos malhados de folhas enrugadas
e corcundas das videiras, sem os brincos das uvas presas em cachos.
O sol espreguiçava-se ainda no chão, alimentado pelo orvalho
sem pressa de se levantar, elevando-se em vaporosos odores a terra molhada.
Numa aparente indiferença sobressaía uma robusta testemunha
de vários outonos, folha verde, semeada de risos com bocas abertas,
esperando que o calor do sol se desprenda das nuvens para ajudar
no parto dos ouriços entumecidos que sempre anunciam no outono
o fim de uma gravidez anunciada.
O parto acontecia nos ramos donde se desprendiam nascituros
sem tempo para serem meninos.
...e à medida que iam caindo olhava para a altivez humilde da árvore
que sempre mãe e sorria a cada mergulho das castanhas, às vezes
ainda no ventre de um ouriço servindo de paraquedas e que caíam
na almofada verde da erva molhada.
...e o que antes me era indiferente pela banalização sempre testemunhada
deste ciclo da natureza, hoje desbobinava o filme da minha infância
como que despertando de um sono letárgico.
 ...apartando orvalhos e folhas, sorria para cada castanha que me surpreendia
com o seu verniz acabado de nascer.

 ...Olhei os campos em redor e lá plantei as saudades!



...sorria para cada castanha que me surpreendia com o seu verniz acabado de nascer.


 ...Olhei os campos em redor e lá plantei as saudades!

Manuela Barroso

32 comentários:

Gracita disse...

Olá amiga.
Como é enxergar uma cena às vezes banalizada com este lindíssimo olhar poético. A amizade surge quando aprendemos a admirar as qualidades de algumas pessoas que com sua simples presença conseguem nos fazer felizes... Quando Deus fez o mundo espalhou por ele pessoas maravilhosas e nos deu a missão de encontrá-las... Cumpri a minha... Te encontrei... Um big abraço.
Gracita

Leninha disse...

Manu querida,

E a natureza sempre a repetir os seus ciclos, alheia aos nossos sentires,mas completando sempre a sua tarefa pré determinada...e a infância chega de mansinho, espreitando por nossas pálpebras e cobrindo nossos olhares de saudades.

E a vida no campo continua, indiferente aos sentimentos e sem as complicações que nos ensinaram pela vida afora.

Bela postagem,minha amiga.Doce e bucólica, telúrica e intensa.

Bjsssssss e um lindo domingo,
Leninha

✿ chica disse...

O que te dizer?

Emocionada aplaudo daqui! Lindo, lindo!!

beijos,ótimo domingo!chica

ॐ Shirley ॐ disse...

Só quem tem olhos de ver o colorido do outono, sabe plantar saudades com a alma...Manuela, beijo!!!

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

E neste teu Novo Outono viajei contigo a outros outonos onde me revi maravilhada com aquelas bolinhas espinhosas que prematuramente se desprendiam dos braços da mãe; servia de consolo a essa mãe ver que de alguma coisa serviam aqueles que não ousaram esperar por mais tempo; deliciavam-nos as brincadeiras que com elas faziamos, sempre cautelosas com os espinhos. E depois... mais tarde,claro...lá iamos saboreando as castanhas que caiam já sorrindo para nós " com o seu verniz acabado de nascer". Demoravam a chegar à nossa mesa e muitas vezes nem lá por perto apareciam. Como eram deliciosas essas castanhas, Manuela!!! Contigo agora " olhei esses campos em redor e plantei as saudades" Obrigada por me teres deixado acompanhar-te. Belo como sempre. Um beijinho e fica bem.
Emília

Maria Rodrigues disse...

Nem sempre olhamos o que nos rodeia com os mesmos olhos, mas tem alturas da nossa vida em que conseguimos ver também com a nossa alma e aí as coisas têm outra magia e encanto.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

SILÊNCIO DA MINHA ALMA disse...

Manuela: Outuno o começo do cair da folha e o tempo mais tritonho gostei das tua imagens e do texto.
Beijos
Santa Cruz

Eloah disse...

".Olhei os campos em redor e lá plantei as saudades!"
Que beleza de imagens !||As palavras fizeram do outono que retorna além mar, um tempo de encantamento poético sob teu olhar.
Parabéns Manu, por teres sido escolhida e distinguida com teu poema " Passeias em mim, saudades , no 8º Concurso do Grupo de Poetas Livres, aqui no Brasil.
Orgulhosa por teu talento e amizade deixo meu carinho especial.Bjs no coração Eloah

MARIA DA FONTE disse...

Fantástico este parto. Esplêndido!

Que pena tenho de ter tão pouco tempo para as minhas deliciosas visitas...
beijinhos

MARIA DA FONTE disse...

Fantástico este parto. Esplêndido!

Que pena tenho de ter tão pouco tempo para as minhas deliciosas visitas...
beijinhos

Armando Sena disse...

As saudades, essas que nem precisam de ser plantadas, crescem e tornam-se incontroláveis sem qualquer adubo ou tratamento.
Belas e a condizer, as imagens.

Nilson Barcelli disse...

Este teu texto é delicioso. Fez-me regressar à infância, ao tempo onde eu ia apanhar castanhas, muitas vezes com as ervas ainda molhadas do orvalho.
Manuela, tem uma boa semana.
Um abraço, querida amiga.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo texto e fotografias de Outono... Espectacular....
CANÇÃO DE OUTONO

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.

De que serviu tecer flores
pelas areias do chão,
se havia gente dormindo
sobre o próprio coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando àqueles
que não se levantarão...

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...
Cecília Meireles

Cumprimentos

AFRICA EM POESIA disse...

Manela um beijinho e...

Queria ser
O que queria ser?
Queria ser vento...
Para ser livre...
Para te tocar
E te abraçar

E de mansinho
Chegar-me a ti
E sussurrar-te
Como gosto de ti...

E devagar
Devagarinho
Ia-te acariciando
E tu ias notando
Que eu estava aí...

E o vento
Ia crescendo
E mesmo com força
Gostava de o ser...
Para que visses
A força que tenho...

Força do vento
Vento tufão
E queria...
Poder ter-te...
Sempre na minha mão.

LILI LARANJO

Enigmático Byjotan disse...

Seu olhar de alegria, consegue impor brilho de arte a uma cena aparentemente simples,Belo e simples como sua alma, ficou o feito, o acabado.Lindo de morrer.Beijo de leitor verdadeiro a minha doce poeta.:-BYJOTAN.

Mariangela disse...

Muito lindo e emocionante Manuela.
Só sabe plantar saudades, quem tem no olhar e na alma a poesia,
e isso querida amiga, você tem de sobra!
E quem diria, que de uma simples bolinha cheia de espinhos, fosse sair tão lindas e deliciosas castanhas...assim é a vida,
Deus reserva uma bela surpresa para cada um!
Obrigada Manuela pela sua visita.
Fique com Deus, obrigada!
Mariangela

Helena Chiarello disse...

Manuamada!
Teu olhar às coisas é de uma beleza que sempre me encanta! E essa forma tão especial que você tem de descrever sentimentos, pensamentos e sensações, faz com que eles se tornem quase palpáveis!
Lindo, lindo!
Sempre uma delícia ler você, querida amiga!

Um beijoooo!

(E obrigada por colocar o link do "bin Laden" e da editora em seus blogs, minha amiga! Fabiano ficou super feliz e agradecido, e manda um super abraço a você, com muito carinho!)

Lindalva disse...

Uma montagem poética que aquece o coração em período outonal. Olá minha querida Manuela. Ainda estou te esperando no Boas festas, na segunda já começa a primeira brincadeira. Luz e paz. Afagos n'alma.

Lua Negra disse...

Saber plantar é uma arte para podemos colher com harmonia.
Lindas imagens.
Beijinhos de mirra.
Lua

Dulce Morais disse...

Manuela, como é belo o seu outono!
Esta estação que faz a transição entre o calor e o frio é rica de cores e sentidos tão bonitos!

tecas disse...

Deliciosamente belo o seu texto querida Manelinha! Delicadeza e sensibilidade no olhar que permite transformar em palavras sublimes enaltecendo o ciclo das estações, sem rabisco superficiais para ser belo. É a beleza natural da sua alma que transpira nas fotos e nas palavras.
Belíssimo.
Beijinho amigo e uma flor.

Mônica disse...

Mnuela
se eu fosse poeta tambem responderia com poesia este maravilhoso olhar que voce tem para o simples e para as palvras do mundo. palavras que embelezam nossas vidas.
com amizade Monica

Pérola disse...

O nascimento, esse Milagre!

No parto das envernizadas castanhas até se ouve o sorriso da mãe castanheiro.

Um revisitar da infância e um olhar poético como só tu consegues.

Fazes duma 'trivialidade' da natureza um acontecimento deslumbrante.


Só para quem tem alma de poeta: como tu!

Beijinhove obrigado por este preguiçado vislumbre!

Mariazita disse...

Como este texto, altamente poético, me fez lembrar a infância!
Entre os meus 7 e 12 anos os meus pais viveram numa quinta enorme, onde existiam quatro imponentes castanheiros, que produziam quilos e quilos de castanhas, grandes e saborosas.
Depois de recolhidas consumiam-se algumas num alegre magusto, e no final, as crianças saltavam por cima das brasas.
Tempos tão felizes, esses!
E quanta poesia, e quanta magia!
Obrigada por me fazeres recordar tudo isto.

Uma semana feliz. Beijinhos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Manuela, passe meu blog que tem lá um Prémio....
Cumprimentos

Lu Guedes disse...

As vezes ao ler-te fico sem saber o que dizer, é que poesia é silêncio. É pele. Lado de dentro. É ficar quieto e perceber que o suspiro gritou lá de dentro e foi saindo lentamente. Assim me deixou esse seu escrito. Que delícia sentir-me assim, só posso lhe ser grata sempre.

bacio

Maria Emilia Moreira disse...

Olá Manuela!
Que belo texto! Quanta emoção, quanta beleza, quanta criatividade. Este é um ritual a que vou assistindo quase diariamente no meu quintal.Tenho pena de não ter sido eu a escrever um texto assim maravilhoso! Um abraço amigo.
M. Emília

Bia Hain disse...

Oi, Manuela! Que lindo escrito e imagens, passei para deixar meu abraço!

Toninhobira disse...

O lindo é ter este olhar sobre a natureza e nela plantar nossas lembranças em forma de saudade...
Brilhante minha amiga.
Meu carinhoso abraço de paz e luz.
Bjo no coração.

✿ chica disse...

Volto aqui pra agradecer teu carinho sempre! beijos,lindo dia,chica

lis disse...

Oi Manuela
Estive aqui e deixei um comentário, voltei só pra ler novamente e deixar um abraço,mas nao vi o comentário rs devo ter feito alguma atrapalhada na hora de publicar.
desculpe.
É lindo muito lindo esse Outono'
Fiquei apaixonada pelas castanhas,parecem envernizadas com essa linda cor.
Vejo poesia em tudo ,Manu
fica abraços meus e renovo o afeto e admiração

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida Manuela

Que dizer deste teu Outono cheio de doces recordações e suave nostálgia.
Fiquei sem palavras apenas senti esse aroma que deixaste em cada palavra.

Um beijinho com carinho
Sonhadora