SEGUIDORES

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O céu metálico...


Céu metálico- Maia
  O céu metálico sobrevoa, observando, esta floresta de cabelos humanos,
invadidos por rajadas de medos, emparedando-os na angústia do abandono
e desencanto.
Somos berlindes ansiosos, em declives verticais,
em voos  picados e  pesados de encontro ao abismo.
A solidão gela a amargura das horas com sede de vingança...
...E crepita a ânsia de liberdade pela Dignidade e Igualdade Humanas...
...uma estranha prisão com grades frias, intransponíveis,
feita de injustiças, ódios e metal...
A dignidade sufoca esta espuma de solidão, numa angústia asfixiante,
infligida por carrascos impunes que anulam sonhos e gritos de esperança...
A impunidade esmaga a esperança de justiça numa cortina opaca,
provocando arrepios de indignação...
E neste lar terreno, o espetro da loucura humana ganha contornos
de abismo tenebroso, mutilando mocidades ainda por nascer. ..
...E a dor da indignação bate surda no olhar de peitos magoados,
numa amargura incontida, que acordará nas brasas das consciências abandonadas,
feitas vulcões,  cujas crateras vomitarão
lavas incandescentes de libertação.
E das cinzas,
nascerá de novo o Amor...

Manuela Barroso

18 comentários:

Leninha disse...

Belíssimo texto,amiga Manu...

.E crepita a ânsia de liberdade pela Dignidade e Igualdade Humanas...
...uma estranha prisão com grades frias, intransponíveis,
feita de injustiças, ódios e metal...

E um final surpreendente,com Fênix,novamente,renascendo das cinzas.

Bjsssss,
Leninha

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Nem sempre o novo amor acontece ou aparece, mas também é bem verdade que por vezes esta vida nos surpreende com sentimentos inesperados e que batem à porta sem avisar.
Somos anjos terrenos envoltos em mar.

Belo texto Manuela!
Bom fim de semana!
Bjs

mfc disse...

Uns vêem-no como metálico, frio, desumano até!
Vejo-o como verdadeiro, esperançoso e... bonito.

Ange disse...

Felizmente o amor tem a capacidade de nascer das cinzas.
Sim, sem dúvidas ele nascera de novo...
Como sempre textos lindamente poéticos. Parabéns!
Um lindo fim-de-semana para você!
Lembranças
Ange.

francys disse...

ainda bem que temos a oportunidade do renascimento, a cada dia basta aproveitarmos.
bjs

Glória Maria - Fadinha disse...

Que bom é sabermos que o amor sempre renascerá Manu. Lindo texto. Bom domingo querida. Beijos

Eloah disse...

"E das cinzas,
nascerá de novo o Amor..." O ápice de teu texto poético é a esperança que o nosso coração abriga, o de renascer para o amor.
Escreves lindamente bela poetisa.Amei teu Céu Metálico.
Querida obrigada pelas palavras lindas, meigas e generosas que deixastes no meu Blog.Vieram para enfeitar o meu aniversario de doçura e amizade.
Bom domingo.Bjs Eloah

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Manuela, belo texto...Espectacular....
Cumprimentos

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

E o céu ultimamente tem-se apresentado escuro, feio, cinzento, como cinzenta anda a alma de todos nós.Até poderíamos mudar a cor do céu, vê-lo azul celeste de dia e cheio de estrelas à noite, mas isso se os nossos corações essa cor tivesse e deles emanasse uma luz cheia de brilho. Mas, não tem cor os corações e muito menos brilho, não só ele, mas também os olhares. Apesar de toda essa luz que vemos nas ruas das nossas cidades, o céu continua metálico; sufoca-nos a solidão, arrepia-nos tanta injustiça, a nossa alma grita de indignação. Bem queremos ter esperança, mas a cada dia que passa ela se vai perdendo, porque não vislumbramos mudanças. Mas é preciso continuar e, pelo menos com elas sonhar; a cada dia um novo dia nasce...é um novo começo que é preciso de novo começar e quem sabe? Talvez amanhã o
Amor apareça com mais força e o céu volte a ter aquele azul bem clarinho que nos acalme e nos deixe o coração cheio de paz e esperança. Precisamos tanto disso, Manuela!
Parabéns pelo belo texto onde conseguiste retratar as angustias, medos e desilusões que assolam a alma de todos nós nestes tempos tão conturbados. Um beijinho e espero que consigas ver as estrelas neste teu céu metálico; afinal o céu pode ter a cor que lhe quisermos e pudermos dar.
Emília

Liz - Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

Um choro e desalento cruel, mas tão humano, vejo em suas palavras...choras pelos homens que parecem mergulhados num abismo cruel, cheios de desamores e violências em seus corações...e eis que de repente a esperança desponta...nos descortinando sonhar com dias e um mundo melhor e mais humano...

Lindo saber, Manuela, que ainda conservas a fé no humano...
Mais um lindo poema!
Beijos no seu lindo coração, minha amiga mais que querida...!

。♥ Smareis ♥。 disse...

Oi Manuela.
Seus textos sempre tem muita essência e sensibilidade de uma forma encantadora. Adoro te ler. Você nasceu com o dom das palavras.
Lindo demais seu texto. O importante é que sempre das cinzas nasce de novo um amor.
Beijos e ótima semana.

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando para agradecer o carinho de sempre e oferecer uma fatia de bolo de aniversário...embora virtual é de coração.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Luna Sanchez disse...

Algumas situações despertam o que há de pior em nós, não, Manu? É nessas horas que a nossa essência boa deve se sobressair.

Um beijo, querida minha.

O meu pensamento viaja disse...

Manuela, não é por ser triste, depressivo e sem esperança que deixa de ser belo.
Muito, muito bem escrito.
A moldura de irremediável perda deprime-me e, por isso,fujo de temas negros, porque o negro atrai o negro e a rampa para o precipício torna-se incontornável.
"Voz do povo, voz de Deus", rezam as verdades seculares. Quando afirmam que "Entre mortos e feridos...", abre-se uma portinha de luz.
E eu gosto.
Prefiro.
Espero que essa portinha luminosa te espere, entreaberta.
Beijo.

Zélia Cunha disse...

Oi, Manuela
Lindo texto, é um desabafo. E quando pensamos que tudo está perdido, eis que surge das cinzas a ESPERANÇA, que nos fortalece e nos renova, nos empurra para continuarmos nossa jornada nesse tempo espaço. Que sejamos portadores dessa bandeira de Liberdade pela Dignidade e Igualdade Humanas, nesse mundo às vezes tão cruel. Mas depende de nós capturarmos essa energia ficando atentos as nossas escolhas, e que Deus nos ilumine...
Um grande abraço, amiga

Celso Mendes disse...

Dignidade humana. Esse tema tem me acompanhado ultimamente. A história humana é feita em cima de contistas "gloriosas" sobre povos que se tornam oprimidos pelos mais fortes. Isso não parece ter mudado muito até hoje, ainda que veladamente em alguns casos. E as sequelas históricas se sentem em cada rosto anônimo com fome no planeta. Igualdade? Eperêmo-la ansiosos. Talvez, como disseste, das cinzas deste mundo.

Parabéns pelo texto, Manuela! Belo e pertinente.

Beijo.

Menina no Sotão disse...

Sobreviver ao outro, a si mesmo. Ao olhar de dureza. Sobreviver a vida que as vezes se ausenta e fica fácil romper os pulsos. Arrepende-se então, tardiamente. O penhasco já suga os pés, mas então, surge alguém e tudo é nuvens novamente. rs

bacio

Ibrahim disse...

Supernovas de amor...
Matéria unificadora do universo!

Bjnho
Nuno Sá