SEGUIDORES

sábado, 28 de maio de 2022

Despe

 

 

Despe as sandálias de vime e sobe as

veredas verdes no pico das águas de abril.

se os galhos trouxerem rebanhos de corações

nos ramos do meio dia, acompanha as setas

que se acendem nos charcos num dilúvio de rãs.

deixa esvoaçar os teus  laços na  seda  dourada

da aragem e arremessa-te  na seara grávida

de centeio em flor .

 

senta-te na paciência das escadas da infância

onde se bordam os aromas

da flor de laranjeira

num novelo branco de saudades.

 

Manuela Barroso

(Todos os direitos reservados)

 

 



13 comentários:

Bob Bushell disse...

Beautiful image of a poem

Toninho disse...

Bom seria voltar à escada da infância e refazer toda trajetória.
Cativar os cheiros e sabores.
Vestir-se da simplicidade que faz toda diferença pela vida.
Lindo poema despido de tantas fantasias.
Um lindo domingo de paz Manuela e que a semana seja de levezas e delicadezas.
Beijo amiga.

Graça Pires disse...

Posso ver-me nas escadas da infância. O lugar do teu poema onde me encontrei de novo para poder inventar essa infância que não fira o coração. Só depois é que irei contigo ver os charcos das rãs e a seara do centeio em flor.
Belíssimo, o teu poema, minha Amiga Manuela!
Cuida-te bem.
Uma boa semana.
Um beijo.

Jaime Portela disse...

Não tenho palavras que saibam traduzir a elegância e o saber poético presentes neste poema.
Digo apenas que gostei e que o achei excelente.
Boa semana, amiga Manuela.
Beijo.

Roselia Bezerra disse...

Bom fim de noite de paz, querida amiga Manuela!
Vamos seguindo as setas perfumadas do Amor.
Despindo o desamor dos corações...
Tenha uma nova semana abençoada!
Beijinhos com carinho fraterno

Roselia Bezerra disse...

A.S. disse...

Sentados nas escadas da infância, bastava o sol lá fora e tudo se resolvia!
Talvez por isso, muitas vezes sentimos vontade de despir as sandálias de vine e correr para essa escadaria...

Muito belo o teu poema,
no teu estilo inconfundível querida amiga Manuela.
Um beijo.

Maria Rodrigues disse...

Quantas saudades das escadas da minha infância.
Um poema sublime.
Beijinhos

Emília Pinto disse...

Hoje, dia dedicado às crianças, inevitavelmente, recuamos atrás no tempo e, sentadas na escada da infância, recordamos a nossa meninice, feliz, principalmente pela liberdade que tinhamos; corriamos pelos campos, pelos pequenos quintais por vezes enlameados que nos faziam gargalhar para desespero das mães com tanta roupa a lavar em tanque de água gelada. Não havia fartura, mas havia alegria nas correrias, nas brincadeiras e comunhão com a natureza; era dela que tiravamos os brinquedos, imaginando que uma pedrinha era uma boneca e uma folha de videira a sua caminha. Hoje, há mais fartura, mas não brilham tanto os olhos das nossas crianças presas entre quatro paredes e outras, infelizmente, nem paredes têm que as amparem. São essas, hoje que quero lembrar, as que não têm paredes, tecto e muito menos um pão que lhes mate a fome. Temos de nos " despir da arrogância, do supérfluo, do tanto de desperdicio e vestir - nos de humanidade, de carinho e de cuidados para que esses seres inocentes que pusemos no mundo possam crescer com o minimo de dignidade. Há tanta futildade nas nossas vidas, querida Manuela, que por vezes me pergunto: " como podemos nós ser tão insensiveis às necessidades do nosso semelhante, principalmente às carências de tantas crianças?" Eu sei, Amiga, somos pequeninas demais perante os poderosos do mundo que não olham a meios para atingirem os seus objectivos. Um beijinho muito especial à criança que tens em casa e para ti, querida Amiga, um abraço carregadinho de amizade
Emilia

MARILENE disse...

Manuela, só posso aplaudir a riqueza e a beleza da construção de seu poema. Leio e releio com imenso prazer. Abraço.

Majo Dutra disse...

~
Encontrando a mesma forma de poetizar, plena de doçura, encanto e beleza.

Agradeço as palavras de apoio e incentivo que tem deixado no meu 'blog'.

Dias leves e felizes. Beijinhos
~~~~~~

Ailime disse...

Boa tarde Manuela,
Um poema maravilhoso que me deixou encantada.
Parabéns pela excelência do mesmo.
Beijinhos e continuação de boa semana.
Ailime

Jeanne Geyer disse...

Manuela, conheci o teu blog agora e já estou te seguindo pois encontrei aqui uma poesias magistrais, parabéns pela tua escrita impecável. Teria imensa honra que conhecesses meu blog e me seguisse por lá. Beijos ;) https://botecodasletras2.blogspot.com/