SEGUIDORES

domingo, 17 de maio de 2020

Era

 Jaime Best
Era de Gales o príncipe que entardecia no teu corpo.
A Primavera semeava-se na mesa com o sorriso
e a tatuagem da adolescência.

Migramos como aves clandestinas no abandono
dos  segredos à procura de um abrigo onde pousar o nosso
afago tão urgente, tão impiedoso como platónicas
são as flores onde nunca tocaste.
No tecto do teu mundo, o sol engoliu o perfume da pátria
que te esqueceu.
Que ofereças agora trevos, na intimidade da noite
e que as galáxias hoje te cubram de sossego
na penumbra da tua inquietação.


Manuela Barroso





16 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de nova semana, querida amiga Manuela!
Uma Primavera muito insinuante desponta na tela...
Tanto carinho urgente e adiado que acontecerá antes da inquietação tomar conta de vez.
Sorte e serenidade, amiga!
Lindo poema!
Tenha dias abençoados!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

" R y k @ r d o " disse...

Bom dia: Elogio a inspiração e a enorme criatividade poética. Muito bonito de ler.-
-
Feliz início de semana
Proteja-se.

A Paixão da Isa disse...

muito bonito uma feliz semana bjs

chica disse...

Era tudo lindo...Tomara volte a ser! Fica bem, fica calma e vamos que vamos! bjs, chica

Gracita disse...

Olá querida Manuela
Aqui estou embevecida a sorver os teus belíssimos versos e revestindo o meu ser com a sua magistral tessitura poética
Fica bem minha amiga e cuide-se comadre
Beijinhos floridos

Jaime Portela disse...

Li e reli.
E fiquei encantado com a excelência deste poema.
Apesar da dúvida, pois não sei ao certo a quem se dirige.
Querida amiga Manuela, continuação de boa semana.
Beijo.

Graça Pires disse...

Procuras um abrigo onde pousar afagos urgentes… E dizes isso num poema que escolhe a intimidade da noite à procura do sossego para cobrir as sombras inquietas… Maravilhoso, Manuela!
Um grande beijo.

Ailime disse...

Boa tarde Manuela,
Um poema tão tão belo quanto a subtileza dos seus versos.
Adorei!
Um poema de excelência.
Beijinhos e bom fim de semana.
Ailime

Ana Freire disse...

Maravilhoso... este caminho a dois... por entre as inquietações da vida... e que sempre se reinventa... enquanto o amor se sustenta...
Belíssima inspiração, Manuela! Beijinhos! Votos de um excelente fim de semana!
Ana

Emília Pinto disse...

E a Primavera aí está, com o seu mês de Maio, como sempre lindo; rosas, pássaros e flores chamam-nos logo no inicio do dia, lembrando-nos que há uma vida a precisar de afectos e de amores; a carência sente-se e a urgência em senti-los leva-nos a procurá-los, mas são muitas as vezes em que não os encontramos: escondem-se bem no fundo da alma e parece haver uma dificuldade imensa nas pessoas em deixar que eles se soltem e invadam os nossos e outros corações Nunca houve no homem grande capacidade para amar, mas, agora, com este afastamento, com esta ausência de demonstração de afectos receio que se instale em nós um isolamento interior e continuemos a passar pelo outro de cabeça baixa, trocando de passeio, como se de algum bicho peçonhento se tratasse; sinto-me um pouco assim e não gosto da sensação. Não adianta fugir, não adianta procurar outro refúgio, outro colo que nos acolha e embale, porque em todos encontraremos receios, angústias e dor; em muitos só há vazios de toda a espécie, vazio de esperança, de sonho, vazio de pão e esses vazios, querida Amiga, nada os consegue preencher....nem mesmo as rosas. O sol tem brilhado, mas nesses colos só encontraremos escuridão. Tudo vai passar, dizem e acredito, mas o mal causado, para muitos, continuará. Manuela, há muito que não vinha cá, mas o desânimo tem-me acompanhado bastante impedindo-me de dar aos amigos a atenção que merecem; tenho sentido falta daquele colo que me acolheria com afagos, sem receios e com aquele sorriso que só uma mãe sabe dar, mesmo que, por dentro as inquietações fossem muitas . Querida Amiga, espero que estejam todos bem ai em casa e, mantenhamos a esperança de, muito brevemente, em vez de dizer; " era feliz e não sabia...era lindo aquele jardim, mas nunca reparei nele...era tão bela aquela rosa, mas sempre a ignorei, digamos, sim , é bela a natureza e não mais esquecerei que todos os dias a tenho ao meu dispør para a admirar . Sim, temos de começar a dar valor aquilo que agora nos falta. Beijinhos, Amiga e SAÚDE
Emilia

© Piedade Araújo Sol disse...


Há pessoas que sonham com o príncipe encantado, mas, depois ainda sonham mais alto.
Oxalá resulte, mas, acho que não vai resultar.
Achei interessante a inspiração.
E desassossego acho que irã continuar.
Beijinhos
:)
Boa semana!

Majo Dutra disse...

Os príncipes de Gales andam com péssima reputação amorosa...
Srrssssss...

Partiram numa aventura a dois... Pode ser que resulte bem...
Gosto da presença das galáxias e gostei do poema.

Tudo pelo melhor, Manuela.
Beijinhos
~~~~~

A.S. disse...

A primavera incita o voo migratório.
No ímpeto do voo, cada ave encontrará um refúgio de serenos afagos, ou um ramo bem alto onde possa distender as asas num canto incomparável!
Será que teremos alma de pássaro?

Beijinhos!

Agostinho disse...

Viva, Manuela, gostei tanto. Parece-me ser um poema dedicado. A um amor que o destino da intermitência dos dias tornou incompleto.
E "entardecia a cor dos teus cabelos"... príncipe de Gales.
Da Dinamarca podia ser,
ou de Cerveira, ou... que
os afectos não escolhem o chão
nem a estação. Mas Maio
foi cruel, sufocou corações: distanciamentos inimagináveis, insuportáveis
Como iludir forçadas ausências?
Os linhos fiados na paixão, espectantes,
numa erosão de gestos inacabados
perdidos no vácuo das intenções,
arrefecidos.
Beijo.

saudade disse...

Para fazer pensar um bocadinho, maravilhoso.
Boa semana

Leninha Brandão disse...

No tecto do teu mundo, o sol engoliu o perfume da pátria
que te esqueceu.
Que ofereças agora trevos, na intimidade da noite
e que as galáxias hoje te cubram de sossego
na penumbra da tua inquietação.
...
Inquietações sempre, minha querida amigairmã...e o príncipe aceitaria os trevos com a simplicidade encantadora, aceitaria a beleza do afeto envolto no brilho das galáxias ou desapareceria em busca de outros afetos, menos platônicos porém perdidos na infinita lembrança da urgência dos afagos.
Na adolescência todos os príncipes possuem uma aura envolvente e sedutora. A magia um dia se perde e o cavalo branco não passa de um trôpego burrinho bisonho.