SEGUIDORES

sábado, 29 de setembro de 2018

És um barco

De novo no cais!
Bem-vindos.


És um barco vestido com as cores da tua boca.
Enche-o de cascatas floridas que acompanhem
o teu exílio na renda das margens.
Incendeia a água, calma como a tua infância,
fresca como a nascente do teu corpo,
com os reflexos  dos teus olhos e o fulgor da tua luz.

Esquece os remos que te pesam,
leva a boia na intimidade da tua esperança.
Demora-te na febre da liberdade
e no fascínio desesperante do silêncio.


Manuela Barroso

15 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Boa Tarde, querida amiga Manuela!
fiz um passeio pela manhã no Porto de Cima onde os barcos ancorados ficam tão lindos sem os remos que lhe pesam ou os motores desligados...
Imagem linda, parabéns!
Gosto de olhar seu reflexo na água...
Deus te abençoe muito!
Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

Elvira Carvalho disse...

Meu Deus tanta beleza.
Abraço e bom fim-de-semana

Palavra-padrão disse...

Que palavras inspiradoras!

Gracita disse...

Olá minha linda comadre
Extasiada com a exuberância do teu poema
Este é um cálice que gosto de sorver devagarinho saboreando cada palavra e internalizando esta magistral poesia
Beijinhos e um domingo feliz minha querida

Graça Pires disse...

Um poema a transbordar de beleza, minha querida Amiga. Li e reli e fiquei com "o fascínio desesperante do silêncio"... Magnífico!
Uma boa semana.
Um beijo.

Manuel Veiga disse...

tão belo teu Poema, minha amiga.
de uma musicalidade radiosa!

quem não gostaria de um dia poder escrever este verso?
"um barco vestido com as cores da tua boca" - ondulante e cromático
como um beijo!

amei. carinhoso abraço, Manuela.



Lua Azul disse...

Gostei do poema. Navegar é uma arte. Oxalá o barco chegue a bom porto.
Abraço

Ani Braga disse...

Adorei estar aqui...
Espero sua visita em meu blog também e se gostar siga, já estou seguindo o seu.


Beijos
Ani

https://cristalssp.blogspot.com.br

martinealison disse...

Bonjour chère amie,

De bien jolis mots... qui illuminent ma journée.

Gros bisous

Maria Rodrigues disse...

Belíssimo poema.
Boa semana
Beijinhos
Maria
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Emília Pinto disse...

Dia 29 de Setembro, um dia importantissimo para mim e para todos os meus; chegou ao cais , num lindo barco de florzinhas enfeitado, um ser pequenino e fofo que carinhosamente foi colocado sobre o peito da mamã que ansiosamente a esperava e que por tanto tempo a desejou, sem nunca pensar em desistir. Voltaste ao cais, minha amiga, depois de uma ausência forçada que ja preocupava os amigos; felizmente estás de volta , como sempre com a bela poesia que te é habitual. E, apesar dos contratempos, apesar de tantas vezes sentirmos desesperança , apesar de muitas vezes reclamarmos de monotonia, de repente tudo muda e nem sempre para pior. " Esqueçamos os remos que nos pesam", agarremo-nos à boia da esperança e demoremo-nos no " fascinio" destes momentos com que a vida nos presenteia, pois são como joias raras de grande beleza. " De volta ao cais "estás tu, Manuela e acabada de chegar ao cais da vida está a Beatriz, pronta para dar os primeiros passiinhos na caminhada que lhe tiver sido traçada.. estou feliz, querida amiga! Já estava com saudades tuas! Um beijinho de boa noite e os votos de que esteja tudo bemcon todos vós
Emilia

Teresa Almeida disse...

Um cais onde apetece aportar e desfrutar. É, de facto, notável a estética da palavra que por aqui se bebe.

Beijos, minha amiga.

Majo Dutra disse...

Querida Manuela.
Um poema lindo que canta uma liberdade necessária e brilhante...
Em contentamento porque o exílio e a febre da liberdade terem terminado
e ter voltado ao nosso convívio.
Um Outono aprazível e feliz.
Abraço de uma boa Amizade.
~~~~

Jaime Portela disse...

Uma bela acostagem, com um excelente poema.
Gostei imenso, parabéns.
Manuela, um bom fim de semana.
Beijo.

Palavra-padrão disse...

Que palavras tão bonitas, Manuela!
Resto de um bom fim de semana!

Bjs,

Daniela