SEGUIDORES

sábado, 21 de julho de 2018

Sons

.V.Kush
Das profundezas da terra virão os sons que não chegam a florir. 
Não são os mastros nos destinos do vento que levam os cantos
das sereias. São os corais, as pautas onde se guardam solfejos 
bulindo nas águas, capazes de fazer renascer nos búzios os 
sons que guardam na perfeição das suas sinuosidades a 
sinfonia das marés, fazendo rodopiar os peixes num 
bailado inacabado. Os caracóis de sons completam-se 
em cascatas de harmonia onde se mergulha num êxtase 
quase profético, quase celestial. A limitação humana 
agride esta ânsia corrosiva de libertar esta torrente de 
emoções, tornando agrestes as palavras.

Cai um pingo em cada nota deste vento, deixando 
de ser som para ser estrela musical, duplicando-se 
na sonoridade que lateja insistente, nas também 
cordas do coração. 
Quedo-me absorta numa quietude branca.


MBarroso





17 comentários:

A Nossa Travessa disse...

Minha querida Manuelamiga

... Quedo-me absorta numa quietude branca. Imagem magnífica que termina um poema magnífico porque cai um pingo em cada nota do vento que escreves - e que bem escreves. Nem sei que diga mais, apenas agradecer-te or aquilo que me (nos) ofereces.

Muitos qjs deste teu amigo e admirador

Henrique, o Leãozão

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida amiga Manuela!
Há sons inconfundíveis e outros misteriosos!
Você estabelece paralelos magníficos e viajei em cada verso e no mistério do seu soar poético.
Tenha um fim de semana feliz e abençoado!
Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

Elvira Carvalho disse...

"Cai um pingo em cada nota deste vento, deixando de ser som. para ser estrela."
Quedo-me maravilhada com tanta beleza.
Abraço e bom domingo

O Puma disse...

È SEMPRE BOM VIAJAR NOS SEUS SILÊNCIOS

em voz alta

Toninho disse...

Assim como as noites escondem mistérios e sonhos, nela cabe todos os sentimentos inclusive esta emoção de sentir-se leve em brancas nuvens, numa paz que acalanta o coração.
Muito linda Manuela.
Bom lhe ver com suas inspirações aceleradas.
Meu carinhoso abraço amiga.
Beijo paz.

Graça Pires disse...

Um magnífico poema "onde se mergulha num êxtase quase profético, quase celestial"... Depois ficam-nos os sons e as cores da Natureza a maravilhar-nos todos os dias…
Uma boa semana, Manuela.
Um beijo.

Ana Freire disse...

Sempre um bálsamo poderoso, para a alma, a profundidade, beleza e paz, que as suas maravilhosas inspirações, nos oferecem a apreciar, Manuela...
Fiquei rendida a cada palavra!
Um beijinho grande! Desejando-lhe a continuação de uma boa recuperação!...
Ana

Gracita disse...

Minha querida comadre
Ler-te é receber o bálsamo encantador de teus versos que nos aprisiona na sonoridade de suas metáforas em solfejos poéticos de grande beleza e esplendor
Rendida ao som de tua magistral e melodiosa poesia
Grande beijo amiga e carinhos ternos

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Simplesmente sublime!
Parabéns pela elevada qualidade!
Bj


Olhar d'Ouro - bLoG
Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

A Nossa Travessa disse...

Re-volto :-)))

INFORMAÇÃO
Acaba de ser publicado na Nossa Travessa o episódio n.º 9 da saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGOLÓIDE desta vez com o título Vem à baila testamento.


http://anossatravessa.blogspot.pt



Zilani Célia disse...

Oi Manuela!
Teu poema é lindo e se tivesse de associá-lo a uma cor, eu o faria com o branco e sua quietude.
Abrçs

Maria Rodrigues disse...

E como são belos os sons da natureza.
Um poema sublime!
Beijinhos
Maria
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Emília Pinto disse...

Esta " limitação humana, é o impecilho maior a que se escute estes " sons " que nos chegam de todo o lado, dos mares, dos rios, das montanhas e dos céus; sons agradáveis aos nossos sentidos, sons que nos acalantam e que nos dão serenidade nesta sociedade tão ruidosa e de grande confusão. Infelizmente há outros sons inquietantes, o crepitar da madeira queimada nestes dias em que o sol nos brinda com a sua beleza, o bravejar do mar a braços com tanto plástico que o engasga e os pobres rios lutando com aquela espuma amarelada que atrapalha o seu murmurar suave que tanto alegra os peixes, fazendo-os rodopiar feitos eximios dançarinos. Mais uma vez aqui está a " limitação humana " que agride " e que não entende que o agredido está a ser esta raça , dita humana. Será que este estado de coisas vai mudar? Não devemo dizer " nunca , mas...as esperanças são poucas. Querida amiga, espero que estejas totalmente recuperda e deixo-te um beijinho de boa noite. Obrigada pelo belo momento
Emilia

Jaime Portela disse...

Magníficos solfejos poéticos.
Gostei imenso do poema, parabéns.
Manuela, um bom fim de semana.
E boas férias, se for o caso.
Beijo.

Ana Freire disse...

Passando a deixar um beijinho, e um abraço super apertado... e estimando a continuação das suas melhoras, Manuela, nestas próximas semanas, em que estarei mais ausente!...
Tudo de bom!
Ana

Teresa Almeida disse...

Deixamos de ser substância para levitarmos em nota de extraordinária partitura.

Meu aplauso e meu beijo, querida amiga Manuela.

Maria Rodrigues disse...

Manuela, passei para desejar um excelente fim de semana e deixar um beijinho
Maria
Divagar Sobre Tudo um Pouco