SEGUIDORES

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Maio



Fecho os olhos e percorre-me a música de maio.
É o êxtase inconfessável nos sons definidos e indefiníveis.
É a cor divisível nas folhas e cambraias de flores,
no indivisível que se afunda na incapacidade cósmica
que cinzela a perfeição.
É o grito impotente de abraçar o abismo
onde enterro a minha impotência.

Uma enorme sensação de paz quase desumana,
troca esta fome de alcançar o indivisível
para morrer na alegria de estar aqui.

 Abro então os olhos e sinto quão grande
é a beleza deste cântico que sepulta a minha alma
num leito verde e florido, num eflúvio  que abarca
todos os sentidos e mata esta sede de abraçar os sons
deste Poema feito Vida e Mundo e Terra e Flores e Pássaros .
...

Manuela Barroso

15 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida amiga Manuela!
"É o grito impotente de abraçar o abismo
onde enterro a minha impotência."
Este verso foi o que me tocou profundamente à alma...
Sinto-me impotente em muitas coisas e, neste momento, rogo a Deus uma prece de Auxílio Poderoso.
Seu poetar me fez muito bem, querida!
Seja muito feliz e abençoada junto ao seus amados!
Bjm fraterno de paz e bem
https://espiritual-marazul.blogspot.com.br/

Majo Dutra disse...

Belíssimo canto primaveril, Manuela.
Taças ao alto e brindemos a Poesia.
Terno abraço.
~~~~~~

Ana Freire disse...

Maravilhosa celebração à vida... Manuela... neste encantador poema, que celebra a pureza, a beleza... e a perfeição da Natureza... que se renova, também neste mês, em todo o seu esplendor, e fervor!
Magnifico trabalho poético! Beijinho!
Continuação de uma feliz e inspirada semana!
Ana

Elvira Carvalho disse...

Tão bonito Manu.
Adirei.
Abraço

Teresa Almeida disse...

Este é mesmo "um poema feito Vida e Mundo e Terra e Flores e Pássaros". É a exuberância de maio que retratas na perfeição. É a tua espiritualidade em cada verso.

Adorei ouvir-te, hoje, na Hora da Poesia, querida Manuela.

Beijinho.

Beatriz Bragança disse...

Querida Manelinha
Quando o hino é à Natureza, suplantas-te!
Que beleza tem este mês de maio!
Não te inquietes:«Vida,Mundo,Terra,Flores e Pássaros» como dizes, já são, só por si, um autêntico Poema, que, escrito por ti, atinge uma outra dimensão.
Um beijinho
Beatriz

Ailime disse...

Boa tarde Manuela,
Magnífico poema que canta os maviosos encantos do maravilhoso mês de maio.
Um beijinho e bom fim de semana.
Ailime

Bob Bushell disse...

Beautiful poem, your writing is so vivid.

Maria Rodrigues disse...

Maravilhosa homenagem à primavera.
Manuela, efectivamente os comentários dos blogues a partir de 25 de Maio, deixaram de aparecer no email. É uma situação geral, eu comuniquei num "fórum" de ajuda e a resposta foi que estão a analisar o assunto, mas não sei se isso não tem a ver com a nova politica de privacidade de dados.
Vamos aguardar.
Bom restinho de domingo e uma excelente semana.
Beijinhos
Maria
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Zilani Célia disse...

OI MANUELA!
UM POEMA QUE ABARCA TUDO QUE É IMPORTANTE, VIDA, MUNDO, TERRA, FLORES E PÁSSAROS.
PERFEITO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Graça Pires disse...

"Fecho os olhos e percorre-me a música de maio"... Tão belo o teu poema, Manuela! Tudo é secreto se maio se repete nas margens da pureza apetecida…
Uma boa semana, minha Amiga.
Um beijo.

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Maravilhoso!
Muitos parabéns.
Beijos, Rui.


Olhar d'Ouro - bLoG
Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

Manuel Veiga disse...

Maio-moço a explodir em poema!
tão vibrante que tange todas as cordas dos sentidos
como se fora Aleluias!...

ou "sagração" de primaveras!

muito belo teu poema, Manuela

beijo, amiga

Jaime Portela disse...

Brilhante.
Nem tenho mais palavras para comentar a excelência deste poema.
Bom fim de semana, amiga Manuela.
Beijo.

Emília Pinto disse...

E este Maio não foi como costuma ser, mas ele sabe que a mãe natureza manda e, portanto ele deu-nos aquilo que pôde. Já se foi há muito, dando lugar ao Junho que também não está a ser o mesmo, atrapalhando os santos populares que querem fazer a sua festa. Aqui, na minha cidade, o Sto António está a ficar muito zangado; as sardinhas estão prontinhas para a brasa, mas a chuva não permite que o povo as aprecie; os carrosseis, rodam e rodam vazios; as crianças ficam em casa esperando que amanhã o sol apareça e lhes permita, assim, um tempo de deliciosa brincadeira. Mas, Manuela, o teu canto ao mês de Maio está, como sempre, fantástico e o resto, sabemos, compete à vida. Ela manda e nós obedecemos. Um bom fim de semana e espero que tu e os teus estejam bem. Beijinhos
Emília