SEGUIDORES

domingo, 23 de outubro de 2016

Fecho os olhos...


 Vladimir Kush

Fecho os olhos, passeio-me com o doce
embalar das tuas ondas e o cântico monocórdico,
suave  deste marulhar materno.
E sou a criança feita crisálida no meu casulo de
espuma à espera do teu beijo para renascer….
Medito na imperfeição da minha perfeição e
anseio sempre mais .
Quero o impossível que se abriga, esconde
no inconsciente na certeza do possível da
minha existência.

Procuro abrigar-me no alpendre das escarpas 
como a majestade das águias onde o perigo 
é a ausências dos medos.
Aqui, ouço a minha voz e a tua que se esconde no
silêncio da minha solidão.

Mas sou a insegurança da tua certeza,
na impossibilidade de te visualizar
para me apoiares na minha frágil condição humana.
Basta-me uma folha dançarina para avisar-me
da tua presença.

E eis-me no salão do meu palácio
onde me encontro a sós contigo!

Manuela Barroso

                                                                         

domingo, 16 de outubro de 2016

Harpa de Inverno


Inverno árvores já tão despidas
também tempo longo de escuridão
como as folhas ssim também a vida
tem fases  tão longas de solidão

Mas na flor rosada da tua boca
nos ardentes olhos do teu jardim
passeei na rua das tuas mãos
caíram  frescas pétalas em mim

E o intenso perfume voltou
em tal êxtase de cor , alegria
que  não via teus olhos mas flores

E na corda suave do teus dedos
fui de uma harpa a harmonia
dedilhada na voz de nossos segredos.


Manuela Barroso



sábado, 8 de outubro de 2016

Partiram-se

 


PARTIRAM-SE os galhos que subiam
 pelo tronco da tua estátua.
 Agora permaneces deitada
no molho feito cama dos teus ossos
e apercebes-te da fragilidade da tua pele
antes florida.

Quando voltares a ver os ninhos das formigas,
 rogarás para que volte
a monotonia monocórdica e incómoda dos pardais,
ralhando em alvoroço com as telhas,
num eterno cântico à vida.

Manuela Barroso

Outubro, 2016