SEGUIDORES

sábado, 4 de janeiro de 2014

Ouve, amado



Ouve, amado, não te ouço.
A vidraça que me cerca esconde
a voz cadenciada das ondas desgrenhadas 
penteando-se nos rochedos em cabelos desfiados 
enfeitados de búzios numa sedução feiticeira .
Um fio longínquo define os limites deste espelho inacabado 
sem os traços do teu rosto.
Procuro no sargaço as avencas da praia 
nos gritos de fome do verde. 
No bosque das ondas 
levantam-se árvores de espuma 
nos uivos dos canais de vento. 
O murmúrio longínquo desta agitação tão inquieta 
estremece o canavial do pensamento 
numa confusa maré cheia  
Quero o ciciar das agulhas nas dunas 
e aí fazer o meu ninho 
no silêncio morno da areia.
E florescerão das brancas plantas dos corais 
a sede dos abraços
na lentidão do adeus, 
nos longos beijos, no cais

Manuela Barroso, in "Eu Poético VI"
Imagem-net


28 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poema...
Cumprimentos

Maria Emilia Moreira disse...

Boa tarde Manuela!
A poesia jorra aqui como uma fonte de água cristalina e pura onde dá gosto beber! Não sei dizer por palavras a emoção que sinto ao ler/saborear cada verso.
Obrigada amiga por me ofereceres momentos tão belos. Um beijo.
M. Emília

Beatriz Bragança disse...

Minha querida
Que poema tão lindo!
Como a Natureza inquieta, própria do Inverno, nos traz tanta inquietude!
Precisamos de paz, conforto e sossego, no cais que nos transporta-rá para paragens mais mansas!
Grande poetisa!
Beijinhos
Beatriz

Bob Bushell disse...

Lovely poem.

Luma Rosa disse...

Oi, Manuela!!
Você estava muito inspirada e parecia que estava defronte o mar, tamanha reprodução das imagens e essas poeticamente envoltas em lasciva. Você sempre me surpreende!
Feliz 2014!!
Beijus,

Maria Emilia Moreira disse...

Estou aqui de novo para te dizer que tenho uma surpresa no meu blog. Espero que gostes!
M. Emília

Nilson Barcelli disse...

Sublime.
Poesia ao melhor nível (ou acima...).
Manuela, minha querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga
Venho agradecer a sua presença lá no meu cantinho, obrigada pelo seu carinho.
Feliz 2014! Que este ano venha coberto de muita paz e amor!
Perdoe-me pelo meu silencio.
Tudo do melhor para você.
Abraço amigo!
Maria Alice

Jeanne Geyer disse...

magnífica poesia, adorei! a poesia é alimento da alma, gostei muito do teu blog.

http://umanjotriste.blogspot.com.br/

silvioafonso disse...

Tenho visitado alguns blogs
e o seu é um dos que mais
me prendem lendo.
Nem sempre deixo ou faço um
comentário, como agora, mas
segui-los como sigo o seu,
poucos.

Um beijo e parabéns pela
sempre bem cuidada página.



.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida Manuela

Deixas-me sem palavras para comentar algo de uma beleza tão terna e suave...um vendaval de emoções a esvoaçar pelo infinito da poesia.
Deixo o meu beijinho carinhoso e desejo-te um Feliz 2014, junto de todos que te são queridos.

Sonhadora

rosa-branca disse...

Saio sempre deliciada com tão bela poesia. Aqui as palavras cantam, encantam e matam a sede. Feliz Ano Novo e beijos com carinho

.•♫•. Nancy .•♫•. disse...

❀ ✿ ❀
Merci à toi chère Manuela pour cette poésie et cette image ... c'est MAGNIFIQUE !!!!

Je t'embrasse et
je te souhaite un bon début de semaine !!!!
BIZ d'Asie
❀ ✿ ❀

Linda disse...

Very romantic poem, lovely imagery.

Nina Filipe disse...

Olá meu amor que elevo as palavras entrelaçadas que bela magia elas nos transmitem.
Pena que nem todos os corações tenham os mesmos sentimentos, que bom seria ver o mundo numa só poesia, acho mesmo que até os passarinhos deixariam de cantar só para aprender a letra.
Querida que este ano lhe traga mais, e mais, e sempre, tão lindas inspirações, beijinhos de luz e muita paz.

Rui - Olhar d'Ouro disse...

Sem dúvida... saudades destes espaços!
Mas aos poucos vou regressando tentando gerir o tempo disponível...
Um bom ano!

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

E fico sempre com a esperança de que "a voz cadenciada das ondas desgrenhadas "me traga a dos meus amados, sussurrando-me que escutam o meu sofrimento...a minha angústia...a minha grande saudade .Ontem fui ver o mar na expectativa de que ele me trouxesse um sinal de que o lamento do meu coração foi ouvido. Estava clamo, o mar.... talvez por isso só senti " o silêncio morno da areia " Alguns amados fizeram já a travessia definitiva, vencendo " a confusa maré cheia " e isso doi, doi para sempre, numa dor doída demais. Os meus também atravessaram esse oceano imenso por vezes medonho e lá estão no seu mundo, um mundo cada vez mais só deles; posso sempre visitar esse mundinho só deles...cada vez mais fechado mesmo àqueles que mais os amam. " A sede dos abraços" é grande...a recordação de outros abraços...a saudade de outros beijos...de outras palavras é imensa. A vida é bela, dizemos nós, mas, por razões
que nos custa a entender ela vai levando de todos nós a capacidade de continuarmos no nosso mundo, mas sempre abertos ao mundo dos outros; aos poucos ela nos vai forçando a fazer a travessia por mais que " se levantem árvores de espuma nesta agitação inquieta " tentando impedir que passemos para o outro lado . Hoje...no aconchego do meu lar continuarei à espera que, pelo menos " os uivos dos canais de vento" que se fazem sentir me tragam a resposta ao meu pedido...que me ouçam já que não sou capaz de os ouvir. Quem sabe, um outro som tão habitual me trará a resposta? Fico à espera...todos os dias espero.
E assim, mais uma vez, ao teu " Eu poético " juntei o meu, menos poético, mas sentido. Obrigada, Manuela, por me permitires acompanhar-te nos teus sentires que são também os meus, aliás, são-no de qualquer outra pessoa, creio. Há sempre um amado...uma vivência...uma recordação...uma saudade...uma dor, às vezes imensa como o mar. Beijinhos, querida amiga!
Emília

Eloah disse...

"Quero o ciciar das agulhas nas dunas
e aí fazer o meu ninho
no silêncio morno da areia."
Querida, perfeitos versos nascidos na alma e na sensibilidade de uma bela poetisa.Hás de nos presentear sempre com versos lindos com este que acabei de ler, porque escreves lindamente.Deixo aqui meu carinho de amiga irmã que além mar se encanta com tua poesia.Brisas e flores para você.Bjs Eloah

Duarte disse...

O murmúrio das ondas abafa o verso, senão seria para correr ao encontro desses braços abertos.
Besos

Toninho disse...

É lindo quando se encontra com este mar para lhe figurar nas inspirações tão belas como as suas.
Ficou lindo Manuela.
Carinhoso abraço.

SOL da Esteva disse...

Um mergulhar profundo na suavidade poética das ondas.
Delicioso, belo, maravilhoso, este cantar de Amor.
Parabéns pela construção, magnífica, deste Poema.


Beijos


SOL

fus disse...

Maravilloso poema. Enhorabuena

un abrazo

fus

Evanir disse...

Alegre-se a cada nova manhã pense que com um novo dia pode-se começar uma nova vida.
Mas começar sem medo do que pode vir a acontecer,
viver um dia de cada vez e sempre olhando para frente, simplesmente começar.
Tente se basear no exemplo de um simples amanhecer, embora aconteça todas as manhãs,
são poucas as pessoas que podem testemunhar a beleza que é quando a noite
a noite termina e vem no horizonte o espetáculo do nascer do Sol.
Obrigada pelo carinho desejo um abençoado final de semana .
Beijos ,Evanir..
Amiga Manuela esta tudo bem amada?

lourdes disse...

Querida amiga continuas em forma sob o ponto de vista literário e poético. São magníficos os teus poemas. É com imenso prazer que os leio pois fazem-me bem à alma.Um grande abraço desta sempre amiga Lourdes

Sissym Mascarenhas disse...



Manuela,

Achei tão belo o inicio, quando solicita ao amado "ouvir" e então senti-me convidada pela curiosidade a seguir os meus olhos pelo seu belo poema.

Bjs

Olinda Melo disse...


Belo poema, cara Manuela.

Sedução e feitiço, em mágicas palavras, numa paisagem de mistério.

Bjs

Olinda


ॐ Shirley ॐ disse...

Que importância tem a fome do verde e as árvores de espuma, diante da sede dos abraços?
Lindo, Manuela, amei!
Beijos!

AC disse...

Manuela,
Quando a leio a minha sensibilidade veste sempre fato de gala. Obrigado.

Beijo :)