SEGUIDORES

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

As Lezírias



 
As lezírias perfumavam a distância
no pequeno bago de arroz.

Enchia-se o vale de ti,
na aragem morna, procurando
o verde dos teus olhos.
Não pergunto onde tu estás.
Vejo-te em cada pupila de flor
que escuto.
E estás na sombra de cada pétala
que escreve a poesia do teu nome.
Procuro ouvir-te, atravessando os
charcos saltitando de vida.

O chão não apodreceu.

A vida é a “anima” da beleza
de Ser e Estar vivo.
Na aridez tórrida do deserto
no enigma do escorpião
no lodo do pântano
nos mosquitos em multidão
no oásis mais belo
...tudo está em comunhão

 Na lama senta-se a flor
num anfiteatro de folhas
crescendo no capim
onde se vai fechando a luz.
Pernoitam os insetos
ruminando a noite calada.
Tudo dorme.

Espero-te
no colo das minhas mãos
na ternura da madrugada




Manuela Barroso, " Eu poetico VI"
Pintura: Claude Monet


 

26 comentários:

LUZ disse...

Olá, querida Manuela!

Como está?

Cabeçalho novo no blogue? Já cá não venho há uns tempos, mas julgo que sim.

Bem, minha cara senhora e colega, eu sinto-me impotente para comentar aquilo que escreve. SINTO, SINTO!

Estas lezírias são especiais, são as suas, aquelas que cogita no seu pensamento, e estende-as, para nós ficarmos enlevadas e estarrecidas.

Há tanta cor, natureza, ternura e amor, em tudo o que escreve!

As suas mãos têm colo? Ah! nunca tal me tinha passado pela cabeça, mas só as poetisas é que têm colo nas mãos e sensibilidade para o possuírem.

E O AMOR SENDO TÃO GRANDE CABE LÁ. FANTÁSTICO E SUBLIME!

Tenha um bom fim de semana.

Beijos afetuosos da Luz, que já tem saudades suas.

Maria Rodrigues disse...

Lezirias onde a poesia se sente em cada palavra escrita, tocando o coração do leitor, maravilhoso.
Beijinhos
Maria

Magia da Inês disse...

Comunhão estrema da poesia com a natureza... muito lindo!

°º✿♫
°º✿ Boa semana!!!
º° ✿✿ ♫♬° ·. Beijinhos.

Nilson Barcelli disse...

Gostei do bucolismo do poema.
Para além de inúmeros aspectos que dão corpo à excelência poética que te é habitual.
Manuela, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo, querida amiga.

Nina Filipe disse...

Olá meu anjo azul, este lindo poema veio tocar uma grande saudade que tenho guardada no meu coração, sabe minha querida eu nasci e vivi até aos 17 anos numa linda herdada onde todos os anos vinham contratas de pessoas, chegavam a ser perto de 200 a trabalhar no arroz, ai me nasceram os primeiros dentes e de arrozais, não tem nada que eu não tenha conhecimento. Sei de tudo, até sei de um saco de 100g que me caiu em cima onde todos pensavam que estava morta mas foi só mesmo o susto... nessa altura tinha 6 anos e como ao menino e ao borracho Deus põe sempre a mão por baixo e eu graças a Ele me salvei.
Querida eu perco-me nos comentários e quando tem disto? Olhe é disto... beijinhos de luz e um resto de bom domingo

Eloah disse...

Minha doce amiga! Que maravilha de texto.É como estivéssemos a sombra participando da beleza das palavras que jorram da tua alma em busca da felicidade encontrada no desejo e na espera." Espero-te
no colo das minhas mãos
na ternura da madrugada".
Amei! Meu carinho sempre especial.Eloah

Duarte disse...

Riqueza na metáfora que vai elaborando tons que acabam por encontra-se, como umas mãos para embalar.
A estrutura, ao ser livre, não me deixou ver mais, mas deu para dar asas à imaginação.
Gostei.

Abraços de vida

Duarte disse...

Estas coisas da moderação, para mim um sem sentido, não permite ver se o escrito alcançou o seu fim.
Deixo-o à tua consideração.

Besos

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida Manuela

O que dizer deste belo poema onde vais bordando as estações da vida com as mãos da ternura que embalam o meu sentir ao ler-te.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Toninho disse...

Muita arte na construção e uso de figuras para descrever a emoção e recriar a região com sua beleza e espaço de inspiração.
Muito bonito Manuela.
Um carinhoso abraço amiga.
Bjo no coração.

Toninho disse...

Lindo ler quem sabe a inserção de figuras que tornam a leitura mias elegante na construção da poesia, que busca a traduzir a emoção.
Lindo amiga.
Meu terno abraço.
Bjo

http://odeclinardosonhos.blogspot.com disse...

O entrelaçar da poesia com a Mãe natureza...
O resultado?: poesia maravilhosa!
Um beijo amiga
anacosta

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

E foi o propósito da natureza na sua perfeita criação esta beleza tão distinta " sempre em comunhão", comunhão em que foi convidado a participar o ser humano cada um à sua maneira. E é com certeza a maior beleza " Ser e estar vivo" seja na " aridez do deserto...no lodo dos pântanos...nas lezírias perfumadas". E enche-se o vale de ti...de mim...de todos... seres vivos...seres inanimados; há árvores...rios...charcos...flores...cheiros...sabores; tudo em comunhão num chão que não apodrece...num chão em que nos sentimos seguros se soubermos por ele caminhar em harmonia, com total liberdade para procurar o nosso bem-estar em cada " pupila de flor...na sombra de cada
pétala...em cada charco saltitando de vida. E assim tento eu viver em comunhão com todas as belezas que a natureza me mostra todos os dias transformando em belo aquilo que feio me parece. E são tantas as
transformações que tento fazer a cada momento dos meus dias, Manuela!!!!



É que nem sempre vejo beleza naquilo que tão sabiamente a natureza criou e me oferece a cada dia. A vida é sempre bela, mas muitas vezes pensamos precisamente o contrário; há certos momentos que achamos de uma fealdade imensa dada a dor que nos causam; somos ingratos...o outro lado fica sempre esquecido!
Foi como sempre, amiga, um belo momento...uma dessas belezas da vida que nem sempre apreciamos; mas esta...podes acreditar, apreciei e nela refleti. Obrigada! Beijinhos carinhosos e até sempre!
Emília


























Sissym Mascarenhas disse...

Olá querida amiga,

não sabia o significado, que tambem pode ser flor, alias, no poema ficou delicadíssimo; conheço como sendo uma terra plana, às margens de rio, e que se alaga por ocasião das cheias. Beijos

AC disse...

AH, essa sensibilidade...!
Tocante e inspirador, Manuela. Parabéns!

Beijo :)

SANTA CRUZ disse...

Manuela: Lindo poema com uma sensibilidade unica de mulher e muito bem inspirado.
Beijos
Santa Cruz

O tempo das maçãs disse...

Quem tem a alma bela, vê beleza em tudo...

Um poema perfumado, Manu.

Beijinhos.

Beatriz Bragança disse...

Querida amiga
«A ternura da madrugada» é uma expressão tão bonita»!
Um vale romântico,onde a Natureza impera!
O teu «EU» é cada vez mais poético!
O verde dos olhos confunde-se com o verde do «anfiteatro das folhas».
Um belo hino à Natureza!
Muitos parabéns.
Beijinhos
Beatriz

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Hoje aqui é feriado (festeja-se a República brasileira) e nada melhor nesse feriado que vir me enveredar nesse "arrozal" de belas poesias manuelinas (rs)...Beijos cearenses, da Lúcia.

LUZ disse...

Olá, querida Manelinha!

Como vai?

Ler o que escreve, nunca enjoa, nem aborrece. Tem mecanismos para tal, que eu não domino, mas que gostaria de saber qual é o segredo e a respetiva "receita". Já sei: chama-se "Talento Bio Delicioso à la Emanuelle".

Tenha um excelente fim de semana, na lezíria, no planalto, na planície, ou bem mais alto.

Beijos, com apreço e amizade.

Zilani Célia disse...

OI MANUELA!
A NATUREZA EM PERFEITA COMUNHÃO COM TUA INSPIRAÇÃO POÉTICA, ENFEITANDO-SE COM TEUS ESCRITOS.
LINDO AMIGA.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Pérola disse...

Umas lezírias que se prolongam por campos sem nome onde a procura é sempre poética.

Belo!

beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Reler-te, é tão bom ou melhor do que a primeira vez.
É o caso deste magnífico poema.
Manuela, tem uma boa semana.
Um beijo, minha querida amiga.

rosa-branca disse...

As lezírias são assim: Belas, perfumadas e com o condão de se soltarem em poemas soberbos. Tudo depende da alma de quem sente. Maravilhoso querida amiga. Beijos com carinho

LUZ disse...

Olá, Manelinha!

E só faltava ir até ao "céu" visitar o Anjo, que, por acaso é Azul.

Já cá cheguei, e sinto-me muito bem, de novo.

Gros bisous, ma chérie

Maria Emilia Moreira disse...

Olá Manuela!
Tenho estado um pouco ausente...mas não resisti ao deleite que me trouxe a leitura-visão destas Lezírias encantadoras! Cada verso é um arco-íris de cor e de perfume ...deixo-me levar "no oásis mais belo" que alguma vez sonhei...
Um grande abraço.
M. Emília