SEGUIDORES

sábado, 3 de março de 2012

Simplicidades



Era cedo na tarde do dia.
O sol pousava placidamente os olhos nos galhos secos e velhos na vida acabada de morrer.
Aves fugidias procuravam refúgio nas folhas ainda por nascer.
Perto, nos ramos verdes do sobreiro e dos abetos, o chilreio intempestivo já tem sabor a primavera , mas ainda vadia...
O inverno longo e cansativamente frio, transporta-nos para recantos amenos onde acolhemos o pensamento em divagações, perdendo-nos nos ramos com o gorjeio dos pardais.
O prazer de estar, confunde-se com a existência de Ser.
Apenas se saboreia o tempo que discretamente acompanha o bater do coração, o suave” in” e “ex” da respiração.
Páro para me escutar.
A vida que carrego ou me carrega a mim, sinto-a em cada parte, em cada o órgão que transporto.
Quero permanecer neste mutismo, saborear este aconchego de mim, não pensar, rejeitar renitentemente qualquer interferência que interrompa o meu comodismo...
Os olhos fixam as folhas.
A brisa, muito fresca e muito leve, vai tagarelando, só para dizer que há vida no ar, no pólen, no pó, no ruído, no silêncio...
As folhas obedecem a este ritmo balouçante, num murmúrio constante e trémulo.
Eu... permaneço imovelmente sentada, só condescendo com o leve sacudir da minha écharpe, com a ténue carícia nos meus cabelos.
Algo me perturbou...
...como se o olho perturbante e intenso entre as nuvens me despertasse: Tudo obedecia ao fluir deste rio imenso que palpitava vida, deixando-se acariciar ou tocar ou mudar de rumo.
Mas eu não.
Comodamente intransigente...
As nuvens... abrindo estradas aos reflexos intensos; as folhas... deixando-se balouçar com a brisa; os pássaros... indiferentes ao vento e ao sol, continuavam com o seu trinar instintivo a saudar a vida, e eu, renitentemente sentada, insistindo no meu egoísmo, concentrada no meu mundo, não permitindo interações...
Caí em mim.
Como me senti pequena e intolerante, perante o exemplo das folhas que sorriam e dançavam nesta comunhão com a Natureza!
Escutei em mim os segredos da vida...
...mundo que não é só meu, e com o qual, tal como as folhas, tenho que aprender a saber dançar a valsa do vento!
Levantei-me.
Procurei adaptar-me à aragem aproveitando o ritmo, o exemplo e o conselho das folhas...
 E fluí com o vento.
Como o vento!

Manuela Barroso

Pintura-Vladimir Volegov

                                                          

25 comentários:

Ange disse...

Eu também me fui... Deixei-me embalar por estes ventos e viajei por esta tarde!
Como sempre, um texto que nos faz viajar!
Parabéns!
Um lindo e inspirado fim de semana para você!
Lembranças
Ange

Nilson Barcelli disse...

Sentei-me ao teu lado e ouvi-te como se estivesses a pensar alto. O momento é perfeito, de uma beleza ímpar. As imagens formam-se à medida que se vai lendo a tua excelente narrativa.
Gostei muito.
Manuela, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Abraço grande.

Celso Mendes disse...

"É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras"
(Eugénio de Andrade)

são essas urgências de que falas com tanto encanto e que cantas com tanta propriedade aqui: sempre um prazer te ler Manuela!

beijo.

Patricia disse...

un texto colorido y riquísimo en imágenes que sugieren todo un sentir profundo... y el viento, cómo no, fluir como él!!!!

una delicia leerte, querida amiga.

abrazos.

Santa Cruz disse...

Manuela : Lindo texto a falar da natureza adorei.
Beijos
Santa Cruz (Diácono Manuel Gomes)

joaquimdocarmo disse...

E por aqui fiquei também, à minha maneira, "comodamente intransigente" na fruição egoísta da interacção que, embora negada afinal, se impõe, na urgência de ser-com, sejam quais forem as manifestações de vida! Também eu, se me permite, Manuela, vou tentar "aprender a saber dançar a valsa do vento" ao "gorjeio dos pardais."
São tão difíceis, as "Simplicidades"!
Beijinho com votos de bom Domingo!
jc

Eloah disse...

Querida deixei meu imaginário fluir como o vento e reentrar naquele teu momento lindo. A natureza é pródiga em belezas e senti-las é alimento para a alma.Mario Quintana meu poeta preferido diz " Que todo poema é uma aproximação.Senti-me parte deste teu olhar.Amei!
Toda beleza do mundo para você.Bjs Eloah

lis disse...

Como a garota na tela a cronica é fabulosa.
Momentos de contemplação do próprio ser e como ele reage aos cheiros , aos ruídos,as carícias do silêncio.
Adorei Manuela.
Quisera saber me expressar pra fazer transbordar também algumas e tantas inquietações que um texto assim até desfaz. rs
abraços doce Manuela e obrigada por lindos comentários que me presenteia sempre que surge seu nome na minha telinha
um abraço e muito afeto.

Mariazita disse...

Boa noite, Manuela
Por um bom momento deixei-me embalar pelas palavras e senti uma calma enorme!
É muito bom, de vez em quando, isolarmo-nos, só com os nossos pensamentos, sabendo que estamos vivas apenas porque respiramos...
Mas... a vida continua, e tal como o vento não pára, também nós temos que seguir em frente.

Uma noite feliz e óptima semana.
Beijinhos

mfc disse...

Esta simbiose linda com a natureza fez-me bem!
Senti-me a partilhar também essa sensação tão boa através da tua escrita tão cuidada.
Foi um verdadeiro prazer.
Beijos.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Manuela, belo texto...Espectacular....
Cumprimentos

Eloah disse...

"Escutei em mim os segredos da vida..."
Querida e linda amiga,vim sentir de perto teu poema, tuas palavras poéticas e assim colher a ternura e a leveza que jorra da tua alma.
Linda semana.Bjs Eloah

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Ainda cedo na tarde do dia já os pássaros se encaminham para uma palmeira aqui no jardim do prédio onde vivo e são tantos que o chilreio deles não deixa ninguém indiferente; um pardal delicia-se aqui na minha varanda, esgaravatando a terra dos vasos à procura de alimento...é preto e lindo o pardal; mas...muitas vezes também eu estou absorta nos pensamentos, conversando com o meu " eu " indiferente aos mais variados chamamentos da natureza para que saia desse meu marasmo e participe da vida; afinal o mundo lá fora não é só das flores...não é só dos pássaros...não é só daquele pardalzinho que me visita...não é só do vento...do sol...não é só da chuva; é nosso também e há que participar dele. Hoje foi um desses dias em que " permaneci neste mutismo, saboreei este aconchego de mim...rejeitei renitentemente qualquer interferência..." Fiz mal, Manuela! Ao cair da noite arrependi-me de não ter ido lá fora e ter participado desta festa feita de simplicidades. Amanhã é outro dia...diferente.. com simplicidades também diferentes. Mas os pássaros virão com certeza e encherão o fim de tarde com o seu canto. Um beijinho e parabéns, Manuela, pelas suas simplicidades. Tenha uma excelente semana
Emília

elvira carvalho disse...

O prazer de estar, confunde-se com a existência de Ser.
Apenas se saboreia o tempo que discretamente acompanha o bater do coração, o suave” in” e “ex” da respiração.
Páro para me escutar.


Parece-me que se toda a gente parasse de vez em quando para se escutar o mundo seria muito melhor.
Um abraço e uma boa semana

Menina no Sotão disse...

Tão bom fluir como o vento e com o vento. Deixar ir. Se perder. Se encontrar. Ir e voltar... ai ai ai
Delirei, eu sei.

bacio

Noctívaga disse...

O seu blog é simplesmente fantástico. Um sonho. Deixo um beijinho. Boa semana

Leninha disse...

Manu querida,

E também bailei contigo a valsa do vento,das folhas e do chilrear dos passarinhos...e me fiz folha e raio de sol,aroma e aconchego.E o perfume da natureza invadiu os meus sentidos me inebriando e seduzindo.
E tua poesia acordou em mim os sentires mais ternos,os sonhos e os encantos adormecidos.
És uma fada,Manu,que temos o privilégio de conhecer e amar.

Bjsssss,
Leninha

Liz - Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

Manuela de Barros?
bem me parece ...

"A brisa, muito fresca e muito leve, vai tagarelando, só para dizer que há vida no ar, no pólen, no pó, no ruído, no silêncio..."

"...Tudo obedecia ao fluir deste rio imenso que palpitava vida, deixando-se acariciar ou tocar ou mudar de rumo..."

"...mundo que não é só meu, e com o qual, tal como as folhas, tenho que aprender a saber dançar a valsa do vento!
Levantei-me.
Procurei adaptar-me à aragem aproveitando o ritmo, o exemplo e o conselho das folhas...
E fluí com o vento."

Manu, te absorvo! que coisa linda tu és, amiga! aqui temos Manuel, e aí, Manuela... que coisa boa!!! para o que vai aqui no coração não encontro palavras para exprimir... só mesmo sentindo ... sabe, um topor leve, uma formigamento no coração ... não... acho que é na alma, mesmo... é sim... pois a beleza por trás do baile ou valsa de sua palavras só podem mesmo é tocar a alma...

Magnífico, Manu!!! um dos teus poemas mais lindos!!! fez-me dançar e bailar a tua valsa! um esplendor!!

Ao Universo que me dá voce, eu só tenho a agradecer! minha vida hoje ficou mais bela, sem dúvida nenhuma. Obrigada, querida, por momentos assim...

Um beijo nesse lindo coração! te amo demais!!!

Aleatoriamente disse...

Manu tua escrita me encanta sabia?
Parace que vou além da leitura.

Querida, parabéns pelo dia de hoje também.
Com carinho.

Smareis disse...

Oi Manuela, minha poetisa preferida.

Ha poemas que a gente ler, que faz um bem danado, assim me sinto quando venho aqui.
Viajar na sua escrita me deixa bailar aos ventos, como se estivesse fazendo esse caminho como observadora.
Friso essa parte que me encanta e me faz refletir muito.

Como me senti pequena e intolerante, perante o exemplo das folhas que sorriam e dançavam nesta comunhão com a Natureza!
Escutei em mim os segredos da vida...
...mundo que não é só meu, e com o qual, tal como as folhas, tenho que aprender a saber dançar a valsa do vento!

Maravilhoso, você dirige o texto com uma grande maestria. Parabéns sempre e sempre minha amiga.

Parabéns pelo Dia Internacional da mulher, sucesso sempre pra ti. Beijos!

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Lindas palavras e tb a imagem escolhida!

Um feliz dia da mulher,hoje e todos os dias da vida!

Bj

Sonhadora disse...

Minha querida

Desejo que todos os teus dias...se vistam de amanhecer
Que a tua alma seja inundada de paz...amor e esperança
Que a felicidade encha de alegria o caminho a percorrer
Sorri sempre à vida...e nunca te esqueças de ser criança

Feliz dia da Mulher
Um beijinho com carinho
Sonhadora

Ange disse...

Amiga Manoela, boa noite, uma linda noite!
Então, volto aqui neste especial dia para lhe saudar, agradecer por sua amável presença e generosas palavras lá no meu cantinho das lembranças.
Uma linda e inspirada noite para você!

Lembranças,
Ange.

São disse...

É um acto de soberba a Humanidade pensar que pode sobrepor-se e domar a Natureza.

Sim, é com diz: devemos bailar ao som do vento tal como fazem as folhas.

Bons sonhos, rrss

tecas disse...

Voei no bailado das suas palavras e senti o vento como uma folha o sente. A sua sensibilidade é comovente. Só uma alma como a sua tem a capacidade de nos fazer sentir por palavras escritas, o perfume e beleza da Natureza. Maravilhoso. Beijinho amigo e uma flor.